Postagens

Cantina

No último domingo de cada mês, contamos com as delícias de uma cantina com salgados e doces feitos por voluntárias.  O café, o chá e o chocolate quente, são servidos para acompanhar. Assim como nas demais obras, toda a arrecadação é convertida para a Obra do Berço Cidália Batista, que atende grávidas cadastradas no Núcleo Espírita Chico Xavier, sendo a grande maioria da região de Piratininga.  As fotos aqui postadas, são da festa de 4º aniversário do Necx, em 26 de Abril de 2014.




 

Biblioteca

O Necx conta com uma biblioteca e uma livraria.  A biblioteca tem um acervo de aproximadamente trezentos livros que estão a disposição para empréstimo.  A maioria dos livros foram doados por frequentadores e amigos que compartilham da ideia de que a leitura, especialmente o estudo, ajuda na transformação moral, tão necessária ao verdadeiro espírita.  A livraria é composta por exemplares novos e usados, sendo os preços bem acessíveis, possibilitando a todos a aquisição de romances e livros de estudo.  A renda da venda é convertida para a Obra do Berço Cidália BatistaAs fotos aqui postadas, são da festa de 4º aniversário do Necx, em 26 de Abril de 2014.



 

Bazar Beneficente



Bazar Beneficente Amigos do Chico, funciona no último domingo de cada mês, com variados itens, e tem sua arrecadação convertida para a Obra do Berço Cidália Batista, que atende grávidas cadastradas no Núcleo Espírita Chico Xavier, sendo a grande maioria da região de Piratininga.  As fotos aqui postadas, são da festa de 4º aniversário do Necx, em 26 de Abril de 2014.





 

Shantala


A Obra do Berço também conta com o apoio voluntário da psicóloga  Cecília Fagundes Brasil, que realiza um trabalho para as grávidas e mães com seus bebês, orientando com noções básicas de cuidados durante a gestação e após o nascimento do bebê.
Ministra também o curso de massagem Shantala para bebês, que acontece em grupo tanto para gestantes como para as mães.




 

Natalício de Allan Kardec



Era o início do século XIX, dia 3 de outubro de 1804, quando na antiga cidade de Lyon - França, nascia Hippolyte Léon Denizard Rivail...
“Kardec é o hífen de luz unindo os repositórios sagrados de todas as gerações. O seu esforço ainda é o trabalho permanente da evolução de toda a cultura humana no Evangelho de Cristo”. (Chico Xavier)

PERANTE ALLAN KARDEC
Pelo Espírito Emmanuel. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
Livro: Irmãos Unidos. Lição nº 18. Página 95.

Disse o Cristo: “Há muitas moradas na casa do Pai”. Sem Allan Kardec não perceberíamos que o Mestre relaciona os mundos que enxameiam na imensidade cósmica, a valerem por escolas de experiência, nos objetivos da ascensão espiritual. 
Disse o Cristo: “Necessário é nascer de novo”. Sem Allan Kardec, não saberíamos que o Sublime Instrutor não se refere à mudança íntima da criatura, nos grandes momentos da curta existência física, e sim à lei da reencarnação. 
Disse o Cristo: “Se a tua mão te escandaliza corta-a; ser-te-á melhor entrar na vida aleijado que, tendo duas mãos, ires para o inferno”. Sem Allan Kardec, não concluiríamos que o Excelso Orientador se reporta às grandes resoluções da alma culpada, antes do renascimento no berço humano, com vistas à regeneração necessária, de modo a não tombar no sofrimento maior, em regiões inferiores ao planeta terrestre. 
Disse o Cristo: “Quem vier a mim e não deixar pai e mãe, filhos e irmãos, não pode ser meu discípulo”. Sem Allan Kardec, não reconheceríamos que o Divino Benfeitor não nos solicita a deserção dos compromissos para com os entes amados e sim nos convida a renunciar ao prazer de sermos entendidos e seguidos por eles, de imediato, sustentando, ainda, a obrigação de compreendê-los e servi-los por nossa vez. 
Disse o Cristo: “Perdoai não sete vezes, mas setenta vezes sete vezes”. Sem Allan Kardec, não aprenderíamos que o Mestre não nos inclina à falsa superioridade daqueles que anelam o reino dos céus tão somente para si próprios, e sim nos faz sentir que o perdão é dever puro e simples, a fim de não cairmos indefinidamente nas grilhetas do mal. 
Disse o Cristo: “Conhecereis a verdade e a verdade vos fará livres”. Sem Allan Kardec, desconheceríamos que o raciocínio não pode ser alienado em assuntos da fé e que a religião deve ser sentida e praticada, estudada e pesquisada, para que não venhamos a converter o Evangelho em museu de fanatismo e superstição. 
Cristo revela.
Kardec descortina. 
Diante, assim, do Três de Outubro que nos recorda o natalício do Codificador, enderecemos a ele, onde estiver, o nosso preito de reconhecimento e de amor, porquanto todos encontramos em Allan Kardec o inolvidável paladino de nossa libertação.

 

Ajudando o Anjo da Guarda

Pessoas ajudam seus anjos da guarda a protegê-las
Redação do Diário da Saúde

Ajudando o anjo da guarda
Embora muitas pessoas acreditem que seus anjos da guarda mantêm uma vigilância constante para mantê-las seguras em um mundo perigoso, uma pesquisa entre essas pessoas revelou que quem acredita em seus protetores parece ser menos propenso a assumir riscos.

Os pesquisadores entrevistaram 198 pessoas e constataram que, dentre aquelas que acreditam em anjos da guarda, 68% assumiram que essa crença afeta a forma como elas assumem riscos.

O contrário também ocorreu, com vários entrevistados manifestando que a crença nos protetores espirituais torna-os mais propensos a assumir comportamentos arriscados.

Mas a maioria admitiu ser pouco avessa a correr riscos em comparação com as pessoas que não acreditam nos anjos da guarda.

Por exemplo, quando o assunto era dirigir um carro de forma perigosa, a maioria das pessoas que não acreditam em anjos da guarda afirmou que dirigir 20 km/h acima do limite de velocidade era um nível de risco de dois em uma escala de um a cinco.

A maioria dos que acreditam em anjos da guarda afirmou que a direção perigosa que era um nível de risco de três na mesma escala.

Espíritos Guardiões
Os dados não são conclusivos, embora pareçam indicar que as pessoas acabam ajudando seus anjos da guarda - se eles realmente existirem - a fazer seu trabalho.

Os pesquisadores preferem ver a questão pelo outro ângulo.

"Pode ser que as pessoas que têm uma tendência a ver o mundo como sendo arriscado ou potencialmente perigoso sejam mais propensas a ter uma crença em espíritos guardiões pessoais," comentam eles.

O estudo "Percepção de Risco e Crença em Espíritos Guardiões", de autoria de David Etkin, Jelena Ivanova, Susan MacGregor e Alalia Spektor (Universidade de York) foi publicado na revista de acesso aberto SAGE Open.


 

Bases / Emmanuel



“Disse-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Respondeu-lhe Jesus: Se eu não te lavar, não tens parte comigo.” — (JOÃO, capítulo 13, versículo 8.)

É natural vejamos, antes de tudo, na resolução do Mestre, ao lavar os pés dos discípulos, uma demonstração sublime de humildade santificante.

Primeiramente, é justo examinarmos a interpretação intelectual, adiantando, porém, a análise mais profunda de seus atos divinos. É que, pela mensagem permanente do Evangelho, o Cristo continua lavando os pés de todos os seguidores sinceros de sua doutrina de amor e perdão.

O homem costuma viver desinteressado de todas as suas obrigações superiores, muitas vezes aplaudindo o crime e a inconsciência. Todavia, ao contacto de Jesus e de seus ensinamentos sublimes, sente que pisará sobre novas bases, enquanto que suas apreciações fundamentais da existência são muito diversas.

Alguém proporciona leveza aos seus pés espirituais para que marche de modo diferente nas sendas evolutivas.

Tudo se renova e a criatura compreende que não fora essa intervenção maravilhosa e não poderia participar do banquete da vida real.
Então, como o apóstolo de Cafarnaum, experimenta novas responsabilidades no caminho e, desejando corresponder à expectativa divina, roga a Jesus lhe lave, não somente os pés, mas também as mãos e a cabeça.

 

Palestra Jayme Lobato






 

Modo de Fazer / Emmanuel

Modo de fazer
“De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que
houve também em Cristo Jesus.” – Paulo. (Filipenses,
2:5.)

Todos fazem alguma coisa na vida humana, mas raros não
voltam à carne para desfazer quanto fizeram.
Ainda mesmo a criatura ociosa, que passou o tempo entre a
inutilidade e a preguiça, é constrangida a tornar à luta, a fim de
desintegrar a rede de inércia que teceu ao redor de si mesma.
Somente constrói, sem necessidade de reparação ou corrigenda,
aquele que se inspira no padrão de Jesus para criar o bem.
Fazer algo em Cristo é fazer sempre o melhor para todos:
- sem expectativa de remuneração;
- sem exigências;
- sem mostrar-se;
- sem exibir superioridade;
- sem tributos de reconhecimento;
- sem perturbações.
Em todos os passos do Divino Mestre, vemo-lo na ação incessante,
em favor do indivíduo e da coletividade, sem prender-se.
Da carpintaria de Nazaré à cruz de Jerusalém, passa fazendo
o bem, sem outra paga além da alegria de estar executando a
Vontade do Pai.
Exalta o vintém da viúva e louva a fortuna de Zaqueu, com a
mesma serenidade.
Conversa amorosamente com algumas criancinhas e multiplica
o pão para milhares de pessoas, sem alterar-se.
Reergue Lázaro do sepulcro e caminha para o cárcere, com a
atenção centralizada nos Desígnios Celestes.
Não te esqueças de agir para a felicidade comum, na linha infinita
dos teus dias e das tuas horas. Todavia, para que a ilusão te
não imponha o fel do desencanto ou da soledade, ajuda a todos,
indistintamente, conservando, acima de tudo, a glória de ser útil,
“de modo que haja em nós o mesmo sentimento que vive em
Jesus-Cristo”.

Fonte Viva / Emmanuel / Francisco Cândido Xavier
 

Ansiedades / Emmanuel




“Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.”
(I Pedro, 5:7)

As ansiedades armam muitos crimes e jamais edificam algo de útil na Terra.
Invariavelmente, o homem precipitado conta com todas as probabilidades contra si.

Opondo-se às inquietações angustiosas, falam as lições de paciência da Natureza, em todos os setores do caminho humano.
Se o homem nascesse para andar ansioso, seria dizer que veio ao mundo, não na categoria de trabalhador em tarefa santificante, mas por desesperado sem remissão.

Se a criatura refletisse mais sensatamente reconheceria o conteúdo de serviço que os momentos de cada dia lhe podem oferecer e saberia vigiar, com acentuado valor, os patrimônios próprios.

Indubitável que as paisagens se modificarão incessantemente, compelindo-nos a enfrentar surpresas desagradáveis, decorrentes de nossa atitude inadequada, na alegria ou na dor; contudo, representa impositivo da lei a nossa obrigação de prosseguir diariamente, na direção do bem.

A ansiedade tentará violentar corações generosos, porque as estradas terrenas desdobram muitos ângulos obscuros e problemas de solução difícil; entretanto, não nos esqueçamos da receita de Pedro.

Lança as inquietudes sobre as tuas esperanças em Nosso Pai Celestial, porque o Divino Amor cogita do bem estar de todos nós.

Justo é desejar, firmemente, a vitória da luz, buscar a paz com perseverança, disciplinar-se para a união com os planos superiores, insistir por sintonizar-se com as esferas mais altas. Não olvides, porém, que a ansiedade precede sempre a ação de cair.

Pão Nosso - Emmanuel - Francisco Cândido Xavier
 
 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2011. Núcleo Espírita Chico Xavier - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger